blog

Conteúdos pra inspirar criatividade, produtividade e arte.

Muito do jeito que a gente pensa e trabalha está escrito aqui. São conteúdos sobre produtividade, arte, design, criatividade, cultura organizacional e também sobre ferramentas de trabalho. Aproveite.

  • Espaço Sete Criativo

Uma abordagem criativa de como a Literatura ‘treina’

Treinamento e Capacitação. Treinamento-Intervenção, participa inovação, com montagem de Lego, Esporte ou Dança, com Cavalos, Música, viro até instrumento, guitarra ou baterista, um sax na mão e forjamos um trabalho de equipe, Jazz; se não, podemos jogar um tabuleiro, ou cartas, praticamos negociação: War, Banco Imobiliário ou similar, Poker… é o Jogo da Vida ou do Trabalho. Ou então uma dinâmica, Storytelling, um Teatro ou Role Play, eu sou você, você sou eu e assim somos nós a empatia.

São inúmeras as iniciativas de treinamento e desenvolvimento que se encontram por aí; o mercado tem buscado, as pessoas querem, todo mundo quer mudar, tentar, experimentação é a palavra, e hoje pode errar; então tentamos, é ensaio… vivenciamos o novo, o disruptivo, fora da curva, fora da caixa, fora do bumbo, só não vale jogar pedra em avião, que delírio tem limite. 

Pois resultado ainda é mister, o capital essencial, e exitoso é o bem fazer; que não seja repetir, eu-robô sem criação, que ela vem do flutuante, do peculiar never-the-same life que muda dia-a-dia, o Set da existência é Criativo; e o trabalho assim o é. Ou assim precisaria.

Mas são Metas que regulam, gente pronta-mas-nem tanto; pessoas infinita formação, na vigorosa universidade corporativa, oxigênio universal dos Recursos Humanos, aqui dentro temos uma escola!

E agora, com cérebros aerados, neurônios frescos e novas conexões, pingo vira letra e vários são palavras, que de tantas viram páginas a escrever novas histórias, ficções que representam, são espelhos de nós mesmos. 

Na Jornada do herói, eu sou e também você. 

Nas narrativas de ficção encontramos personagens que lideram, que decidem, erram e acertam; alguns tem muita inteligência emocional, outros deprimem, choram, inconformados que são. Muitos empreendem, lutam, orientam e se sacrificam, motivados; outrem nada disso, seguem, mas com respeito, admira e determinação; seja o que forem, reis, mágicos, policiais, bruxos ou princesas mimadas; elfos domésticos, gatos falantes, fidalgos ou viajantes do tempo, protagonistas ou coadjuvantes de algum jeito nos ensinam; e com eles aprendemos. 

A Ficção vira REALidade e o conteúdo das histórias orientação. Se quiser ser D’artagnan uma opção; ou Harry Potter, Hermione, o garoto dos anéis… que seja, o Macaco do Planeta, também. E por que não a Katniss Everdeen, de Jogos Vorazes…? 

Seja o que for, escolhe e sê; que a literatura aprimora o português, ensina a língua arcaica e dá aulas de história; e ainda melhora o foco, estimula a criatividade, cria laços de amizade, estimula o debate, gera empatia, te tira da caixa, oxigena teu cérebro…

E para começarmos a entender como a Leitura e o Debate podem nos trazer significativos benefícios, vamos abordar um trecho do livro…….. seguido da sua análise…


Grifo: "ELE SE DEU CONTA DE QUE, EM UMA CIDADE, UM HOMEM NÃO PODE VIVER COMO BEM QUER, MAS COMO AS OUTRAS PESSOAS QUEREM."

Ele, no caso, é o nativo caçador soviético Dersu Uzala, imortalizado pelo explorador Vladmir Arseniev na primeira metade do século XVIII em seu clássico e eterno romance homônimo, que a posteriori viraria filme nas mãos de Akira Kurosawa.

Após impagável ajuda ao explorador durante suas incursões ao excruciante leste soviético, e agora velho, debilitado e com pouca visão, Dersu é levado à cidade para viver seus últimos dias longe da severa Taiga Siberiana. Mas, acostumado que está a viver na ‘selva branca’, tem dificuldade em habitar um mundo antagônico ao seu: onde não pode cortar árvores, carregar uma arma a tira colo ou acender uma fogueira no meio da avenida. E conclui, finalmente, “que não pode viver como se quer” e acaba sem querer nos instigando um simples e corrente questionamento: e nós, podemos viver como queremos? Ou temos que viver como as outras pessoas querem?

Civilizamos, portanto, temos que co-habitar, conviver, junto somos. Sem o outro, nem sequer existimos, já diria Walter Hugo Mãe em “A Desumanização” onde sugere o SER, inexistente no espelho. Quanto à forma do existir, o como, como quero, também é questão sensível, suscetível ao outro, pois na semelhança também não se reconhece o alheio.


O caçante então, extravagância não civilizável, retorna à neve, ao Tigre, aos tufões, nevascas e insetos picantes. Opta pelo espelho de si, nega ao outro a dependência do seu ser e debanda. Volta a ser presa da Taiga, nu. Livre da cidade, dos outros, do temos, agora somente a mim; basta.

E essa é também a essência do Tigre, personagem principal dessa narrativa histórica cuja Ficção emoldura uma REALidade extremamente dramática, onde uma Fera-felina insiste em viver como quer… mas esquece que já há humanos adestrados por perto.


Autor

Eurico C. Palazzo

Idealizador do Projeto Ficção na REALidade

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
>

© 2019 por SETE CRIATIVO